Dor de parto

Poeta no divã

Esqueci o poema.
Poeta displicente.
Lembro que era lindo,
falava de não sei o quê.

Pensava em São Paulo;
“tem coisas horríveis”,
gente pobre,
velhos e crianças,
dormindo nas ruas.
E eu tenho medo de morrer!

Ando com vontade de viajar
pra lugares estranhos.
Espero que isso passe
porque eu não gosto.

Há tempos se penso em Deus choro.

A realidade me causa espasmos.

E continuo esperando por um amor.

Meu Deus, não era nada disso.

Não sei se isso é um poema.

Lembro que pensava:
Esse lugar muda rapidamente,
o céu e o inferno são tão próximos
que se confundem.

Estou todo confuso
e penso em escrever um livro.

Meu Deus, me faça desistir...

só se for da sua vontade.